segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Voltas e re-voltas


Voltar. A palavra “volta” aplicada em nosso dia-a-dia pode ter várias experienciações e “n” interpretações. Volta, retorno.
Volta de atitudes, sentimentos, volta a um relacionamento, volta de personalidades, volta de horário... mas a volta que venho tratar não é tão complexa quanto se parece, trata-se da volta a lugares, volta a um lugar em especial, volta ao lugar; sem jamais levar em consideração a monotonia, ou a derrota de determinadas voltas. Um simples/complexo voltar ocasionado pela busca de ideais (que no momento passam por mutações), a volta-ciclo de todas as férias ou feriados prolongados. Voltas e re-voltas.
Volto a essa cidade mais acostumado, mais receptivo, mais indagado, mais duvidoso, mais tranqüilo, paciente, calculista... me alimento da energia que essa cidade me disponibiliza, e me acostumo com momentos antes insuportáveis. Volto engolindo voltas e ignorando algumas atitudes, refazendo pensamentos e posicionamentos. Aceitando mais. Volto a essa cidade por onde ainda não acostumei a andar de chinelo de dedo, e vivo topando o pé em suas pedras que estão sempre a espreita prontas a mostrarem suas forças contra nós, ou melhor, contra nossos dedos.
Volto a essa cidade que ainda me surpreende em vários momentos e que ainda me causa monotonia e melancolia. Rever pessoas, ignorar pessoas, paisagens, imagens desconexas-conexas. Esse clima de “lar doce lar” incontestável e surreal, passageiro. A ilusão de se fazer comida para si mesmo sob um ilusionista fundo de independência e responsabilidade não se obtida na casa da família.
Volto em um momento de expurgação passageira, um momento de anestesia da sociedade como um todo, momento em que tudo girava em torno de tal. Volto em um momento de renovações e de sentimentos novos, prontos a receberem um sim (vezes um não), volto pronto a apostar, a viver o que achava ter sentido antes. Volto a teimar em ser o que eu querer ser, a ouvir, a calar, a inovar. Volto a Ouro Preto, volto a mim mesmo.

W.M. Cooper

Um comentário:

  1. Tua escrita melhorou muito. Ao menos eu gosto mais dela agora.

    ResponderExcluir